Entrevista: Em constante busca pela excelncia - NetSeg

Entrevista: Em constante busca pela excelência

Dicas | 2020-06-25

Vamos aprender sobre a carreira de Ariel Levinson, gerente sênior de comunicações de marketing da Johnson Controls, um profissional reconhecido no setor de segurança eletrônica.

Por Ventas de Seguridad (leia o texto original: https://bit.ly/3i2keX5)

Ariel Levinson nasceu em Buenos Aires, tendo que compartilhar sua infância o tempo todo em que a Argentina era governada por ditaduras militares, incluindo a famosa Guerra das Malvinas, em 1982, contra o Reino Unido. Felizmente, quando ele terminou seus estudos secundários no país, a democracia retornou e um estágio de tomada de decisão veio para ele.

Ariel era apaixonado por jornalismo e comunicação, mas o tempo em que viveu gerou certos medos porque o jornalismo sofreu perdas humanas devido a ditaduras. Isso o levou a escolher uma carreira totalmente diferente: Engenharia de Alimentos, estudos que ele fez por 4 anos até perceber que precisava retornar à sua verdadeira paixão; Por esse motivo, ele estudou dois cursos simultaneamente: "Jornalismo de Rádio e TV" no ISER e "Bacharelado em Ciências da Comunicação" na Universidade de Buenos Aires.

Seu primeiro grande trabalho foi no jornal La Nación, onde ele tinha a responsabilidade de vender publicidade em diferentes setores do consumo em massa. Cinco anos depois, ele foi responsável pelo marketing da subsidiária argentina da Editorial Abril, a maior do Brasil, que possuía várias revistas. Após sua curta estadia lá, ele iniciou sua carreira no varejo, sempre como chefe de marketing da empresa. Esta etapa a qualifica como uma das mais especiais de sua carreira.

Depois de algumas mudanças na empresa, em 2002, Ariel terminou seu trabalho lá e viajou para o Canadá com sua família, onde era diretor da conta do Scotiabank International na agência de mídia Carat Canada. Mas em 2009, Ariel terminou seu mandato nesta empresa e, depois de passar por tempos difíceis, como era o momento da crise econômica, bons amigos e contatos o levaram a encontrar uma oportunidade de marketing para a América Latina, para a empresa de produtos de Intrusão DSC, parte da Tyco International.

“Nos primeiros meses de 2010, foi formada a divisão Tyco Security Products, o 'guarda-chuva' sob o qual a DSC, Sur-Gard e Bentel (no lado da intrusão) foram integradas às outras empresas que desenvolviam e fabricavam produtos Vídeo e controle de acesso, como Kantech, Software House e American Dynamics. Alguns meses se passaram e, como nenhuma dessas marcas tinha uma pessoa de marketing para lidar com a América Latina, e a equipe de vendas precisava desesperadamente desse suporte, elas também me deram essa responsabilidade pela região. Mais marcas, centenas de novos produtos, mercados e clientes muito diferentes da Intrusão e muito mais para aprender”, comentou o Profissional do mês.

Nesta divisão, a Tyco Security Products, continuou a crescer com novas aquisições (Visonic, Exacq, Illustra e várias outras marcas que entraram e / ou saíram ao longo dos anos), os desafios continuaram a surgir com mais colaboração e com a promoção de Gerente Senior de Marketing.

Ventas de Seguridad: Quais são seus desafios pessoais, seus medos e seus próximos objetivos a serem alcançados?

Ariel Levinson: Não há dúvida de que vivemos em um mundo que foi “digitalizado” em uma velocidade incrível, onde a tecnologia, no sentido mais amplo, e as mídias sociais desempenham um papel muito importante na comunicação e na vida cotidiana das pessoas. Eu acho que pertenço a uma geração "dobradiça", uma geração que começou a ver e experimentar todas essas mudanças quando jovens e começando nossas carreiras profissionais. Como disse um professor meu, conhecemos essas tecnologias e novas formas de comunicação, aprendemos com elas todos os dias, mas somos "turistas" deste novo mundo digital, não nascemos nele como nossos filhos. Isso implica um desafio, um desafio quase diário: adaptar-se, não perder o "trem", uma vez que a velocidade da mudança e da evolução é tão rápida que é possível permanecer estagnado, tanto profissional quanto pessoalmente.

VDS: Quais desafios você enfrenta como profissional do ponto de vista do relacionamento com funcionários e colaboradores?

Ariel: Em relação aos colaboradores e pessoas que se reportam a você, particularmente aqueles que estão começando, acho que devemos agir como mentores, ou seja, compartilhar a experiência e o conhecimento que adquirimos na vida para ajudá-los a tomar as melhores decisões e façam o melhor trabalho possível. Como parte disso, há também o compartilhamento de informações, para lhes dar um contexto. Não podemos esperar que eles façam o trabalho e atinjam as metas esperadas se não lhes dermos as ferramentas para fazê-lo. E outro fator importante é ouvir. Saiba o que o outro pensa e sua opinião. Conheça a vida deles e, muitas vezes, aprenda coisas com eles.

Tudo isso permite criar boas equipes de trabalho, onde as realizações e objetivos são alcançados como um grupo, pois não há como obter os resultados esperados se cada uma das equipes de trabalho não contribuir com sua parte. E para aqueles que precisam liderar ou coordenar essas equipes, devemos ser generosos e reconhecer as contribuições e suporte uns dos outros.

VDS: Quais são as razões para o seu reconhecimento neste mercado?

Ariel: Como mencionei um pouco antes, a busca permanente pela excelência, a obtenção de alta qualidade nas iniciativas e projetos que você realiza, a paixão que você coloca nela, o trabalho árduo, a honestidade, ser direto e, sem agendas ocultas. Treinamento contínuo, sendo aberto para aprender coisas novas. Também por ter a capacidade de pesquisar e encontrar as pessoas certas para colaborar na consecução dos objetivos do trabalho. E a parte de tudo isso, colocar um pouco de bom humor que gera um sorriso nos outros, mesmo quando se lida com situações difíceis.

VDS: Qual tem sido a evolução desta nossa indústria?

Ariel: Eu acho que nesta última década, a grande evolução da indústria passa por integração e digitalização. No mundo das intrusões, quase não há espaço, não apenas para os fabricantes, mas para toda a cadeia, distribuidores e instaladores, de produzir e vender painéis de alarme, sensores, comunicadores, etc, isoladamente. Se todos eles não utilizarem a comunicação sem fio, não estiverem integrados a uma solução e não oferecerem um alto nível de criptografia, que os impeça de serem invadidos, eles não serão úteis. E, no caso residencial, já estamos experimentando e está crescendo muito rápido, a automação residencial onde esses elementos são integrados ao vídeo e à IoT (Internet das Coisas) levando tudo a outro nível de tecnologia que não apenas eleva os níveis segurança, mas colabore para melhorar a qualidade de vida das pessoas.

Na esfera comercial e corporativa, a integração de vídeo, controle de acesso, intrusão, incêndio, HVAC, etc, através de sistemas de gerenciamento de edifícios e instalações, é cada vez mais utilizada e está ao alcance de todos, não apenas das grandes companhias.

A segurança cibernética também está desempenhando um papel cada vez mais predominante, uma vez que é inútil pagar um preço baixo por um produto ou solução se tiver um alto nível de vulnerabilidade e puder colocar em risco instalações, serviços ou acesso a informações confidenciais e privadas.

As análises dessas soluções não apenas aceleram os processos de pesquisa e identificação de incidentes, mas também fornecem informações valiosas que permitem eficiências, aprimoramentos de processos e ajudam a tomar boas decisões com alto impacto nos negócios.

VDS: Como você vê o futuro desse setor em termos de ameaças, demanda, avanços e aplicações tecnológicas e possibilidades de expansão na América Latina?

Ariel: Se você me fez essa pergunta alguns meses atrás, antes da pandemia do COVID-19, minha resposta seria diferente da que eu posso dar hoje. O mundo definitivamente será outro e haverá um antes e depois da pandemia. Os comportamentos sociais e comerciais serão diferentes. É bastante claro que a digitalização de nossas vidas acelerou como resultado dessa situação e que as empresas que oferecem a tecnologia que permite reduzir a intervenção humana, facilitar e tornar os processos mais eficientes estarão melhor posicionadas neste novo mundo que vivemos. Essa aceleração nas mudanças tecnológicas também se refletirá na força de trabalho. Novas atividades e necessidades profissionais surgirão, as pessoas terão que ser treinadas novamente para trabalhar ou executar tarefas de outra maneira.

Resta ver como a América Latina emerge dessa pandemia. Com alguns componentes culturais comuns como região, mas com desenvolvimentos econômicos e sociais muito diversos, onde a economia informal tem um grande peso em muitos países, ela terá que repensar muito bem os eixos de suas economias, bem como o papel que a educação desempenhará para ajudar esse processo de reposicionamento.

VDS: Você se lembra de alguma anedota da qual aprendeu por seu trabalho profissional e atividade pessoal?

Ariel: Jamais esquecerei minha primeira participação na Expo-Seguridad México, há quase 10 anos. Tínhamos um estande bastante grande que dividia o espaço em uma "ilha" nas instalações com o de outra empresa. Embora na época ele não tivesse responsabilidade direta pelo design e construção do estande, ele colaborou com o Marketing em tudo relacionado à feira. Aconteceu que naquele ano, ele levou uma empresa do Canadá para montar o estande, porque ele já havia feito isso em outros shows e esperava-se reduzir os custos com isso. O problema era que uma de nossas paredes adjacentes com o outro suporte foi construída abaixo da altura máxima permitida, o que a outra empresa fez, excedendo em muito a nossa. Eles não fizeram um bom acabamento na parte de trás da estrutura que enfrentava a nossa, não pretendiam e parecia horrível. A empresa canadense não tinha muitos recursos lá e cobriu parte dessa parede com um lençol branco que também não melhorava muito o visual. Moral: sempre construa a estrutura do estande na altura máxima permitida para evitar surpresas desagradáveis ​​e o segundo aprendizado foi sempre trabalhar com empresas e fornecedores locais que tenham recursos para resolver rapidamente as contingências que costumam surgir nesse tipo de evento.

A outra vida do Profissional

Ariel é casado há 22 anos com Tamara, com quem eles têm uma linda filha, Tasha, 14 anos. Em 2002, eles deixaram a Argentina e chegaram ao Canadá, procurando oportunidades e começando do zero.

“Embora a adaptação a esta bela cidade e país nos custe quase nada, tivemos que começar nossas vidas de novo. A menos que alguém tenha trabalhado em uma multinacional, as pessoas não sabem a importância das empresas para as quais trabalhavam, por maior que sejam. Tínhamos que nos acostumar a viver com outro idioma em uma das cidades mais multiétnicas e multiculturais do mundo, a respeitar novas regras, a construir novas amizades, a estabelecer-se no local de trabalho e a muitas outras coisas que que fazem parte do nosso dia a dia", comentou Ariel.

O profissional é um seguidor fiel de esportes. Ele é fã do clube do River Plate e compartilha paixões com outros esportes, como basquete, obtendo um gosto especial por seu time da cidade, o Toronto Raptors (últimos campeões da NBA). Ele também joga tênis e assiste os jogos mais importantes na TV.

Entre outros interesses, Ariel destaca política, tecnologia, negócios, esportes, tudo relacionado à mídia e entretenimento. "Eu também sou apaixonado por comida e uma das minhas coisas favoritas é sair com minha família e amigos para experimentar novos restaurantes e conhecer alimentos de outras culturas e regiões, algo que em uma cidade como Toronto facilita muito".

Autor: Duván Chaverra

Editor chefe da Latin Press, Inc,. Comunicador Social e Jornalista com experiência de mais de 13 anos na mídia. Apaixonado por tecnologia.

Tradução: Luis Carlos do Carmo

Editor do Portal de Negócios NetSeg